Quando a mentira acabar

image

Como lidar com a mentira?

Normalmente, a mentira emerge como resultado de uma sensação de inadequação ou por uma necessidade de proteger a verdade, tornando-o menos vulnerável. Aprenda a aceitar que a verdade é correta para todos; respire fundo, pense sobre a pessoa com quem você está conversando e no que elas diriam caso soubessem de sua mentira.

Como parar de mentir?

Você pode se sentir sozinho em sua jornada para parar de mentir, mas há pessoas que já passaram por isso e que podem dar apoio. É duro largar qualquer tipo de vício solitariamente. Entre em contato com pessoas que possam fornecer bons conselhos e ajudá-lo a alcançar seu objetivo. Trabalhe com um terapeuta.

Qual a diferença entre mentira e mentira do bem?

“A mentira do bem é aceitável no mundo todo, aquela que está relacionada com desejo, a fantasia da criança, a que protege. O outro tipo de mentira, não. Essa é inaceitável e imoral.” Na visão do sociólogo, “por isso, podemos dizer que na sociedade onde impera a impunidade, a prática da mentira para se escapar das penas da lei é difusa e banal.

Quais são os motivos das mentiras?

Os motivos das mentiras podem variar e os psicólogos buscam estudar a inteligência maquiavélica utilizada por pessoas que simulam histórias e situações, combinando a expectativa das reações dos receptores com a preocupação em torná-las as mais verdadeiras possível.

image


1. Um belo de um asteroide

Há mais de mil deles perto da Terra, esperando a hora de cair. Sim os astrônomos estimam que existam mais ou menos 1.100 mil desses bólidos com 1 km de diâmetro mais passando rotineiramente pelas redondezas da Terra – todos com o potencial de causar uma catástrofe planetária.


2. Quebra-pau nuclear generalizado

Ah, mais isso é tão anos 50… Não a ameaça nuclear segue viva, e seguirá assim para sempre, já que não dá para desinventar as armas atômicas. Há 22 mil ogivas nucleares no mundo. Os donos dos maiores arsenais continuam sendo Estados Unidos e Rússia. Mas, como a Guerra Fria congelou faz tempo, o risco de uma catástrofe atômica acabou, certo? Errado.


3. Supervulcões

Quando um vulcão no Chile ou na Islândia começa a soltar cinzas no ar, já é um transtorno. Mas tudo isso é fichinha perto do que podem fazer os supervulcões. Um supervulcão é tão grande que nem dá para ver. A boca dele fica no chão e está coberta de terra. E que boca: caberia uma cidade inteira dentro dela.


5. A extinção do nosso campo magnético

O campo magnético da Terra é uma entidade bacana: faz com que todas as bússolas apontem para o norte. Sem ele (ou seja, sem as bússolas), as Grandes Navegações do século 16 teriam acontecido séculos mais tarde. E hoje este texto talvez não estivesse em português.


6. Um hipervírus

Imagine um vírus letal como o HIV, mas que se espalha fácil como o da gripe. Se a natureza não produzir um por conta própria, nós poderemos fazer por conta própria. A possibilidade de combinar a engenharia genética ao arsenal de organizações terroristas é mais que especulação.


7. Um aquecimento global de proporções venusianas

Você até já enjoou de ouvir falar em aquecimento global, o fato de que o mundo deve esquentar 4 ou 5 °C nos próximos 100 anos. Ok. Mas e se forem 400 °C? É o que o efeito estufa causou em Vênus, onde faz 480 °C.


8. Uma espiral glacial

Resfriamento global. Nos anos 70, esse seria o responsável mais provável pelo fim do mundo. Agora, que só se fala em aquecimento global, o resfriamento saiu de moda. Mas como hipótese continua tão realista quanto antes. Ou mais. Pesquisas relativamente recentes mostram que podemos, sim, acabar congelados.

image

Leave a Comment